Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Polícia apreende pássaros e armas após denúncias

7 de março de 2018 às 12:24

Equipes foram até o município de Palmeira para averiguar denúncias e encontraram aves silvestres e armas de fogo em diferentes residências.

Foto: Policia Ambiental/Divulgação

Aves silvestres e armas de fogo foram apreendidas pela Polícia Ambiental do posto de Vila Velha nesta terça-feira (6) em diferentes pontos na cidade de Palmeira (região dos Campos Gerais). As equipes foram até os locais atendendo a denúncias da existência de pássaros silvestres e da posse de arma de fogo.

O primeiro caso foi na localidade de Poço Grande, onde foi encontrada uma maritaca em cativeiro sem registro dos órgãos ambientais responsáveis. Os policiais elaboraram o termo circunstanciado ao Juizado Especial Criminal de Palmeira e a ave foi apreendida e levada ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), que também ficará responsável por adotar as medidas cabíveis na esfera administrativa.

Pouco tempo depois, os policiais seguiram até uma casa no bairro Rocio I, onde encontrou dois papagaios-verdadeiros e um sabiá-poca. O responsável pelos animais não tinha autorização para mantê-los em casa, mas garantiu que eles já estavam com a família há mais de 10 anos. De fato, os policiais confirmaram que as aves apresentavam alto grau de domesticidade. Apesar disso, o termo circunstanciado também foi assinado e o morador da casa ficou como fiel depositário dos pássaros até decisão das autoridades sobre o destino das aves.

Ainda ontem terça-feira, após denúncia pelo 190, a Polícia Ambiental apreendeu três espingardas de pressão que foram adaptadas para receber munições calibre 22. Dezenas de munições foram encontradas na casa do suspeito, que também tinha espoletas, pólvora e apito para auxiliar na caça. Em uma gaiola, foi encontrado um pássaro-preto, também sem autorização dos órgãos responsáveis. O morador foi preso por posse irregular de arma de fogo e foi levado à delegacia da Polícia Civil de Palmeira. A ave foi levada ao escritório do IAP em Ponta Grossa.

Texto: A rede