Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Caminhoneiros e Governo do PR chegam a acordo para liberar combustíveis em todos os postos

28 de maio de 2018 às 19:39
Medida vale para todos os derivados do petróleo: gasolina, etanol, óleo diesel e gás de cozinha

Os caminhoneiros e o Governo do Estado chegaram a um acordo, nesta segunda-feira (28), para liberar os combustíveis para todos os postos do Paraná. O anúncio foi feito pela governadora Cida Borghetti e vale para todos os derivados do petróleo: gasolina, etanol, óleo diesel e gás de cozinha.

“O diálogo no estado do Paraná está prevalecendo e chegamos a esse acordo para a liberação imediata dos combustíveis para todos os postos. Isso faz com que a população se sinta atendida e segura”, disse a governadora.

Outro acordo firmado na reunião foi em relação ao eixo suspenso dos caminhões nos pedágios. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e a Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar) já notificaram as concessionárias para a isenção da cobrança.

A greve dos caminhoneiros chegou ao oitavo dia nesta segunda-feira (28). Pela manhã, o Sindicato dos Revendedores de Combustíveis e Lojas de Conveniências do Estado do Paraná (Sindicombustíveis-PR) já havia informado que entrou com liminares para garantir o desbloqueio de todas as bases de distribuição de combustíveis no Paraná. A primeira liminar saiu ontem à noite em Curitiba.

A partir da liberação completa da refinaria de Araucária e das bases das distribuidoras, a normalização do atendimento deve ocorrer entre sete dias e duas semanas. Nas próximas horas deve ser crescente o número de postos que voltem a ter combustível.

Fim de greve?

Questionado sobre o que falta para o encerramento do movimento, o presidente do Sindicato dos Caminhoneiros de São José dos Pinhais e secretário geral da Federação Nacional dos Transportadores (Fenacam), Plínio Dias, disse que a proposta do presidente Michel Temer não foi suficiente. “A tabela de frete por km rodado pode ser vantajosa para viagens longas, mas não é para os motoristas em portos. Pegamos, então, a opinião dos trabalhadores e, se a gente aceitar a proposta, não estaremos alcançando nosso objetivo”, afirmou.

Dias também confirmou que a categoria agora pede a redução de todos os combustíveis. “Pedimos redução de 30% dos combustíveis em geral. Se táxis, ubers e motociclistas nos apoiaram, é hora da gente apoiar as demais categorias também. Não é que mudamos a pauta, queremos R$ 0,30 de redução na bomba”, concluiu.

Orientação

No começo da noite, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) divulgou uma nota para pedir que todos os pontos que optarem pela continuidade do movimento liberem a circulação dos itens abaixo:

  1. Combustíveis de toda espécie, inclusive gás de cozinha.
  2. Produtos destinados à merenda escolar.
  3. Produtos e alimentos destinados a saúde pública e hospitais.
  4. Leite.
  5. Caminhão carregado com adesivo identificador da Defesa Civil.

“A CNTA orienta que todos os pontos de manifestação dos caminhoneiros do país, que deliberarem pela continuidade da paralisação, ao menos adotem as medidas acima aprovadas. A CNTA pede conscientização de todos os caminhoneiros para que avaliem com cuidado suas decisões sobre a continuidade ou não da paralisação, sob pena de perdermos essas conquistas históricas da categoria”, diz a nota.