Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

No respeito ao dinheiro público, presidente da Croácia dá de 7×1 nos políticos brasileiros

16 de julho de 2018 às 17:06

Foto: FIFA

Os brasileiros que acompanharam a Copa do Mundo devem ter ouvido falar de Kolinda Grabar-Kitarociv, presidente da Croácia. A carismática líder do país vice-campeão do torneio esteve em evidência, entre outras coisas, por ter pago do próprio bolso suas despesas para acompanhar o mundial. Além disso, descontou do seu salário os dias em que esteve na Rússia, e assistiu a alguns jogos do time croata da arquibancada, misturada à torcida dos seus compatriotas.

Sem entrar no mérito de algumas supostas posições extremistas, Kolinda deu um belo exemplo de responsabilidade com o dinheiro público – que contrasta enormemente com as recentes decisões e pretensões dos políticos brasileiros.

Em São Paulo, por exemplo, a Câmara dos Vereadores aprovou o aumento de privilégios dos servidores municipais, entre eles o “auxílio-esposa”. Somente seis vereadores votaram contra o projeto.

Já em Brasília, os parlamentares derrubaram o veto que impedia o reajuste de salários dos servidores públicos no âmbito da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019. Segundo o Ministério do Planejamento, 253 mil servidores civis ativos e inativos têm previsão de reajustes escalonados até 2019, o que representam aumento de R$ 4,4 bilhões no ano nas despesas com servidores. Os deputados que votaram pelo fim da proibição do reajuste perderam 30 pontos no Ranking dos Políticos.

Também foi retirada a obrigação de reduzir em 5% as despesas de custeio administrativo no próximo ano para todos os Poderes, que abrange gastos com pagamento de diárias, água, luz e telefone.

São muitas as medidas que atacam o equilíbrio fiscal brasileiro, as chamadas “pautas-bomba”:

1) Compensação da União aos Estados pela desoneração do ICSM à exportação – Impacto: R$ 39 bilhões ao ano

2) Benefício para transportadoras e caminhoneiros autônomos – Impacto: R$ 27 bilhões até 2020

3) Refis para dívidas do Funrural – Impacto: R$ 13 bilhões ainda em 2018

4) Refis do Simples – Impacto: R$ 7,8 bilhões por ano

5) Revogação do benefício para refrigerantes – Impacto: R$ 1,78 bilhão ao ano

6) Manutenção do reajuste salarial a servidores – Impacto: R$ 8 bilhões

7) Reinclusão de empresas no Simples – Impacto: não estimado

8) Permissão para venda direta de etanol – Impacto: R$ 2,4 bilhões ao ano

9) Renovação Sudene e Sudam e inclusão Sudeco – Impacto: R$ 9,3 bilhões até 2020

10) Criação de novos municípios – Impacto: não estimado

11) Tesouro deve financiar juros de precatórios de Estados e municípios – Impacto: não calculado

12) Reajuste para agentes comunitários de saúde – Impacto: não estimado

Como se não bastasse, os parlamentares articulam aumentar seus próprios salários, que passaria de 33 para R$ 38 mil.

Ou seja, além do melhor desempenho de sua seleção dentro de campo, as atitudes da presidente da Croácia são um verdadeiro 7×1 nos políticos brasileiros quando se fala em respeito ao orçamento público.

Fonte: Gazeta do Povo