Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Caminho de São Francisco já tem cinco propriedades abertas aos turistas.

19 de fevereiro de 2019 às 16:36
As famílias que moram no local foram cadastradas e capacitadas para a recepção de turistas. Atualmente cinco propriedades estão em pleno funcionamento, oferecendo atividades, como trilhas ecológicas, e almoço típico.

Um dos projetos desenvolvidos pela Secretaria de Turismo de Guarapuava é o Caminho de São Francisco. As famílias que moram no local foram cadastradas e capacitadas para a recepção de turistas. Atualmente cinco propriedades estão em pleno funcionamento, oferecendo atividades, como trilhas ecológicas, e almoço típico. “O turismo rural é uma excelente oportunidade de negócio e o roteiro turístico Caminho de São Francisco nasceu para proporcionar isso. Visamos o desenvolvimento sustentável e econômico da região, além de melhorar a qualidade de vida dos produtores com o aumento de renda, através do turismo e a comercialização dos produtos típicos”, especificou o vice-prefeito e secretário de Turismo e de Obras, Itacir Vezzaro.

Entre as propriedades que integram, está a chácara Cantinho da Família, da família de Nivaldo Scislovski. Esta semana, eles receberam cerca de 70 pessoas, entre turistas locais e da região. “Nós servimos um almoço tipicamente rural feito com produtos da agricultura familiar da nossa propriedade e outras daqui. Teve galinha caipira, carne na lata, macarrão caseiro, maionese, arroz farofa saladas e também cerveja caseira. Aqui, as famílias também podem aproveitar piscinas, trilhas ecológicas e trabalha”, disse seu Nivaldo, destacando que umas das principais atrações é o galo Pingo de Ouro, um exemplar de ave gigante que foi domesticado. Com tanto sucesso, o agricultor pretende tornar o local um recanto de aves domesticadas.

Além dos turistas, os vizinhos e parceiros do Caminho de São Francisco também participaram desse evento, contribuindo com o fortalecimento do projeto, que incentiva e prioriza continuamente a coletividade”, afirmou a coordenadora do projeto Caminho de São Francisco da Esperança, Valéria Stocki, lembrando que o projeto já possui até associação formalizada.