Raquel pede ‘imediato’ cumprimento da pena do ex-deputado Alfredo Kaefer

29 de maio de 2019 às 07:18

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal o imediato cumprimento da pena de 4 anos e 6 meses de reclusão ao ex-deputado Alfredo Kaefer, pelo suposto crime de empréstimo vedado. Ele foi condenado pela Primeira Turma da Corte. As informações foram divulgadas pela Procuradoria-Geral da República.

Os advogados de Kaefer solicitam ao Supremo que recalcule a pena final aplicada. A argumentação é de que devem ser “levadas em consideração as circunstâncias judiciais favoráveis ao réu e, também, atenuantes, como a confissão espontânea”.

No entendimento da PGR, os embargos de declaração apresentados “não devem ser admitidos, e devem ser determinados o trânsito em julgado e o imediato cumprimento da pena”.

O entendimento da procuradora-geral é que não há fundamento que ampare a tentativa de redução da pena, uma vez que o acórdão da Turma não apresentou nenhuma omissão ou obscuridade.

Além disso, segundo ela, “não há questões a serem sanadas em relação à dosimetria da pena, sendo que a decisão examinou todas as alegadas lacunas destacadas pela defesa”.

A chefe do Ministério Público Federal argumenta que “intenção da defesa é a de protelar a condenação definitiva e o início da execução da pena imposta”.

“Todos os pontos foram devida e exaustivamente enfrentados, de sorte que a pretensão é estritamente protelatória e visa a impedir o trânsito em julgado”, reforça Raquel.

Ao entender que não existem vícios a serem corrigidos no acórdão, a procuradora ressalta que “fica ainda mais nítido o inconformismo da defesa com o julgamento da Corte”.

Ela reitera que a decisão poderia ser objeto de outro recurso, mas não de embargos de declaração. “Nesta situação, por não se prestarem ao objetivo legal para o qual foi criado, o recurso não deve ser conhecido”, pondera Raquel.

Investigações revelaram que, em 2003, a Sul Financeira concedeu empréstimos vedados à empresa Diplomata Industrial e Comercial. Kaefer era na época sócio controlador de ambas as pessoas jurídicas, o que torna ilegal a operação.

No julgamento da ação penal, o relator, ministro Luiz Fux, apontou que a Sul Financeira passou a fazer descontos de títulos em favor da Diplomata – foram descontados 161 títulos no valor total de R$ 3,6 milhões, com taxas de juros de 2,43% ao mês, porcentual inferior ao que a Sul Financeira habitualmente praticava no mercado com outros clientes, que era entre 3,14% e 5,7% ao mês.

Também acusado por gestão fraudulenta, o ex-parlamentar não foi condenado por essa conduta, já que os ministros decretaram a extinção da punibilidade porque houve prescrição do crime.

 

Prudentópolis
33º
Tempo nublado
Ponta Grossa
27º
Tempo nublado
Guarapuava
28º
Tempo nublado
Curitiba
28º
Parcialmente nublado
Londrina
34º
Parcialmente nublado
União da Vitória
30º
Chuvas esparsas
  • É com pesar que e a Funerária Anjo Gabriel e o PAF comunicam o falecimento do senhor Miro Stefanovicz aos 86 anos.
  • É com pesar que a funerária Anjo Gabriel comunica o falecimento da sra Amelia Horodenski aos 84 anos.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento do senhor Elias Saplak aos 91 anos.
  • Convite para missa de 7° dia de falecimento
  • É com pesar que a Funerária Anjo Gabriel e o PAF, comunicam o falecimento da Sra. Ana Ditkun.
  • É com pesar que a Funerária São Josafat e o Plano Sindi – Saúde, comunicam o falecimento da Sra. Alayde Lichi Americano.
  • Novo Posto Avançado do Detran-PR em Pontal do Paraná já está em funcionamento
  • Alunos da rede estadual se engajam no combate à dengue no Paraná
  • Sanepar retira 355 toneladas de lixo das praias e bate recorde de produção de água
  • Bispos do PR visitam Itaipu e ressaltam parcerias sociais da usina com a Cáritas, vinculada à Igreja Católica
  • Paraná foi o terceiro estado mais visitado por turistas internacionais em janeiro
  • Parques do Interior impulsionam crescimento de 64% do turismo nas Unidades de Conservação