Gaeco cumpre 32 mandados de busca e apreensão em nova fase da Operação Quadro Negro

7 de agosto de 2019 às 09:17

Imagem Ilustrativa

O Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou na manhã desta quarta-feira (7) a 6ª fase da Operação Quadro Negro, que investiga irregularidades e pagamentos de propina em obras de reforma e construção de escolas estaduais do Paraná.

Foram expedidos 32 mandados de busca e apreensão em residências de empresários e sedes de construtoras que venceram licitações para construção de escolas e obras entre 2011 e 2015.

São 27 alvos em Curitiba, três em Cascavel, no oeste do Paraná, e um em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba.

A ação desta quarta-feira não tem mandados de prisão em aberto, mas uma pessoa foi presa por desacato a autoridade.

De acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o esquema era chefiado pelo então governador Beto Richa (PSDB) e desviou pelo menos R$ 20 milhões.

Segundo os promotores, um núcleo de operadores ligados a Richa recebiam para favorecer empresas contratadas pelo governo. De acordo com a denúncia, em contrapartida, as empresas eram pagas por obras que mal saíram do papel.

Os promotores afirmam que o ex-governador era o comandante e principal beneficiário dos desvios.

Investigação

Beto Richa foi preso preventivamente em março por obstrução de justiça nas investigações da operação. Duas semanas depois ele foi solto após uma decisão da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), que considerou que os fatos que levaram à prisão de Richa eram antigos.

Ao todo, sete processos criminais integram a operação. Beto Richa é réu em três deles, pelos crimes de corrupção passiva, obter vantagem e prorrogação indevida em contrato de licitação, obstrução de justiça e organização criminosa. Ninguém foi condenado.

A investigação que levou o ex-governador à cadeia foi baseada, entre outras provas, na delação premiada feita pelo ex-diretor da Secretaria de Educação do Paraná Maurício Fanini.

Na denúncia, os promotores afirmam que Fanini “desfrutava, há décadas, da mais íntima amizade com Beto Richa” e que cabia ao ex-diretor a missão a de solicitar vantagens indevidas a alguns empresários que tivessem contratos com o estado.

Na delação premiada, Fanini afirmou que parte do dinheiro desviado das escolas foi para uso pessoal do ex-governador.

A defesa de Beto Richa nega as acusações contra o ex-governador. “As imputações feitas são oriundas de delação premiada e, portanto, visam obter benefícios para aqueles que assumiram participação em ilícitos”, afirma a defesa.

Fonte: G1PR

Prudentópolis
21º
Tempo limpo
Ponta Grossa
21º
Tempo limpo
Guarapuava
21º
Tempo limpo
Curitiba
21º
Tempo limpo
Londrina
25º
Tempo limpo
União da Vitória
20º
Tempo limpo
  • É com pesar que a Funerária São João e o plano UNIPAZ comunicam o falecimento do Sr. João Grescyczyn. Ocorrido hoje, aos 89 anos de idade.
  • É com pesar que a Funerária São João e o plano UNIPAZ comunicam o falecimento da Sra. Leci Fernandes Marins. Ocorrido hoje, aos 62 anos de idade.
  • É com pesar que a Funerária São João e o plano UNIPAZ comunicam o falecimento da Sr. Januário Mazur. Ocorrido ontem, aos 48 anos de idade.
  • É com pesar que a Funerária São João e Plano o UNIPAZ, comunicam o falecimento do Jovem Idinei Ribeiro, aos 31 anos de idade.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento do Sr Metodio Kuchla aos 68 anos.
  • É com pesar que a Funerária São João comunica o falecimento da Sra. Eugenia Senkiu aos 59 anos.
  • Paraná Trifásico entrega 13,7 km de novas redes por dia e já beneficia 366 municípios
  • IPVA 2024: mais de 75% do valor lançado foi pago pelos contribuintes
  • Com apoio do Estado, Unicentro inaugura novas instalações em Guarapuava
  • Selecionados pelo Talento Tech comemoram poder aprender tecnologia nas próprias cidades
  • Com revitalização da orla de Matinhos, IAT oferece curso de construção civil
  • Governador lança projeto para estimular formação tecnológica de 3 mil alunos em 50 cidades