Unicentro não pode continuar pagando gratificação por Tide a agentes universitários

14 de agosto de 2019 às 18:00

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) determinou que a Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unicentro) cesse os pagamentos de gratificação por Tempo Integral e Dedicação Exclusiva (Tide) sem previsão legal aos agentes universitários. A decisão decorre do julgamento de processo de Tomada de Contas Extraordinária em que os conselheiros da corte consideraram irregulares esses pagamentos.

Em razão das irregularidades, o reitor da Unicentro, Aldo Nelson Bona, recebeu quatro multas de 40 vezes o valor da Unidade Padrão Fiscal do Paraná (UPF-PR). A UPF-PR vale R$ 104,00 em agosto e, portanto, cada uma das multas corresponde a R$ 4.160,00, totalizando a sanção em R$ 16.640,00 para pagamento neste mês.

O processo foi instaurado a partir de Comunicação de Irregularidade realizada pela Sexta Inspetoria de Controle Externo (6ª ICE) do TCE-PR, em relação ao pagamento de gratificação por Tide aos agentes universitários de nível superior, médio e operacional dessa instituição de ensino superior mantida pelo governo estadual.

 

Comunicação de Irregularidade

Primeiramente, a 6ª ICE ressaltou que a Lei Estadual n° 11.713/97, que regulamenta as carreiras dos servidores públicos das instituições de ensino superior do Paraná, não estabelece qualquer gratificação por Tide aos agentes universitários; e que a Unicentro implementou os pagamentos dessa gratificação a não docentes com respaldo na Resolução n° 23/2006, aprovada por seu Conselho Universitário.

A inspetoria afirmou que, apesar de a Unicentro ter alegado que os pagamentos são amparados pelas disposições dos artigos 56 e 172 da Lei Estadual nº 6.174/70 (Estatuto dos Servidores do Estado do Paraná), a concessão de vantagem a agentes universitários somente pode ser autorizada pela Lei Estadual n° 11.713/97 ou pelo Decreto n° 22.490/71.

Além disso, a 6ª ICE lembrou que a concessão de gratificação, assim como a alteração de vencimentos, somente pode ser efetuada por meio de lei específica – artigo 37, X, da Constituição Federal -, sujeita à sanção do Poder Executivo, em respeito ao princípio da legalidade administrativa; e não por meio de resolução.

Finalmente, a inspetoria recomendou a suspensão dos pagamentos de gratificação por Tide aos agentes universitários, por falta de amparo legal, com aplicação de multas.

 

Legislação

O inciso IV do artigo 29 da Lei Estadual n° 11.713/97 estabelece que a estrutura remuneratória da carreira técnica universitária será composta de vantagens atribuídas no desempenho do cargo e função, sobre o vencimento básico, em atividades ou locais definidos por lei, para funcionários lotados em unidades em que se apliquem tais vantagens, conforme estabelecido por legislação estadual específica.

O parágrafo 5º desse artigo impede a concessão de outras vantagens que não estejam previstas na Lei Estadual n° 11.713/97.

O inciso IV do artigo 56 da Lei Estadual nº 6.174/70 dispõe que o regime de Tide poderá ser aplicado, no interesse da administração e ressalvado o direito de opção, na forma que a lei dispuser, aos que exerçam atividades de pesquisas, científicas ou de natureza técnica; e a ocupante de cargo ou função que envolva responsabilidade de direção, chefia ou assessoramento.

 

Decisão

Em seu parecer, o Ministério Público de Contas (MPC-PR) lembrou que o artigo 56 da Lei Estadual nº 6.174/70 expressa a necessidade de lei para aplicação do regime de Tide. Assim, o órgão ministerial concluiu que a gratificação por Tide não pode ser paga aos agentes universitários por absoluta falta de amparo legal, já que a lei que trata da carreira universitária silencia sobre o tema.

O relator do processo, conselheiro Ivens Linhares, afirmou que em decisões de mérito tomadas em processos relativos à Universidade Estadual de Londrina (UEL), à Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e à Auditoria das Instituições de Ensino Superior do Paraná, o TCE-PR consolidou o entendimento pela irregularidade do pagamento de gratificação sem previsão em lei específica, por considerar que a previsão de caráter genérico do Estatuto dos Servidores do Estado do Paraná não possibilita a concessão da vantagem.

Linhares lembrou que o pagamento de gratificação por Tide aos docentes das universidades, a exemplo dos demais servidores estaduais, está previsto em lei específica (Lei Estadual nº 14.825/05) e, portanto, não decorre de disposição do Estatuto dos Servidores do Estado.

Além disso, o conselheiro considerou como agravante da irregularidade o fato de os pagamentos por Tide impugnados terem como beneficiários agentes universitários que exercem funções comissionadas de direção, chefia e assessoramento previstas na Lei nº 16.372/2009, que disciplina os cargos em comissão das instituições de ensino superior do Estado do Paraná.

O relator explicou que o Prejulgado nº 25 do TCE-PR, que tem efeito normativo e vinculante aos julgamentos do Tribunal, fixa a orientação de que a dedicação integral é inerente ao exercício dos cargos em comissão; e, portanto, o pagamento de gratificação por Tide representaria remuneração em duplicidade.

Finalmente, Linhares salientou que a questão não é apenas a falta de amparo legal, pois em cada caso concreto é preciso aferir se a administração tem interesse no regime de Tide;  se a gratificação foi instituída por decreto, tem caráter transitório e foi concedida em caráter individual ou geral;  e se os técnicos universitários que recebem a gratificação legalmente optaram pelo regime.

Assim, o conselheiro aplicou ao reitor, por quatro vezes, a multa prevista no artigo 87, IV, da Lei Orgânica do TCE-PR (Lei Complementar Estadual nº 113/2005).

Os conselheiros aprovaram, por maioria absoluta, o voto do relator, na sessão de 24 de julho do Tribunal Pleno. A determinação deve ser cumprida a partir do trânsito em julgado da decisão, sob pena de responsabilização pessoal do gestor pela devolução dos pagamentos que vierem a ser feitos de forma irregular, sem prejuízo da adoção de outras sanções previstas no artigo 85 da Lei Orgânica do TCE-PR, extensivas à própria universidade e aos servidores beneficiários.

A decisão, contra a qual cabe recurso, está expressa no Acórdão nº 2051/19 – Tribunal Pleno, publicado em 8 de agosto, na edição nº 2.117 do Diário Eletrônico do Tribunal de Contas (DETC)

 

Prudentópolis
19º
Tempo nublado
Ponta Grossa
18º
Tempo nublado
Guarapuava
17º
Tempo nublado
Curitiba
19º
Tempo nublado
Londrina
20º
Chuvas esparsas
União da Vitória
18º
Tempo nublado
  • É com pesar que e o PAF  e a Funerária Anjo Gabriel  comunica o falecimento do senhor José Doruch aos 81 anos de idade.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat  e o Plano Sindi-Saúde comunica o falecimento
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat e o Plano Sindi-Saúde   comunica o falecimento
  • É com pesar que e a Funerária São João  e o Plano Uni-Paz   comunica o falecimento do senhor
  • É com pesar que e a Funerária São João  e o Plano Uni-Paz   comunica o falecimento
  • É com pesar que e a Funerária São João  e o Plano Uni-Paz   comunica o falecimento do senhor João Senkiu Sobrinho aos 59 anos de idade.
  • STF mantém prorrogação da Lei Paulo Gustavo até dezembro de 2023
  • Acidente entre caminhões deixa quatro mortos na PR 340, em Tibagi
  • Procon de Guarapuava notifica empresas por publicidade enganosa
  • BR 277 terá restrição de veículos pesados a partir desta sexta (03)
  • Sicredi anuncia R$ 1,5 bilhão para fortalecer parceria com agricultura no Show Rural Coopavel
  • Ano letivo municipal inicia com cerimônia, no Centro de Eventos Terra Das Cachoeiras