Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Obra de calçamento ligando Patos Velhos a BR: 277 chega na reta final.

15 de julho de 2020 às 10:30
De acordo com o prefeito Adelmo Luiz Klosowski, a obra já está chegando na reta final em um trecho total de 6,31 quilômetros e seis metros de largura está recebendo pavimentação poliédrica com pedras irregulares ligando a comunidade de Ponte Alta na interseção com a BR-277 até a Sede do Distrito de Patos Velhos.

O Prefeito Adelmo Luiz Klosowski e o Vice-Prefeito, Osnei Stadler, estiveram na sexta-feira dia 10 de julho, vistoriando as obras de pavimentação com pedras irregulares (calçamento), no Distrito de Patos Velhos ligando a comunidade de Ponte Alta com a BR-277.

De acordo com o prefeito Adelmo Luiz Klosowski, a obra já está chegando na reta final em um trecho total de 6,31 quilômetros e seis metros de largura está recebendo pavimentação poliédrica com pedras irregulares ligando a comunidade de Ponte Alta na interseção com a BR-277 até a Sede do Distrito de Patos Velhos.

Para o vice prefeito Osnei Stadler, a readequação vai melhorar a trafegabilidade da estrada, com benefícios diretos para trabalhadores da agricultura familiar.

Os recursos do convênio somam R$ 1,8 milhão, R$ 1,7 milhão o valor do repasse da Secretaria de Estado da Agricultura e R$ 129.409,70 como contrapartida do município.

TRABALHO E RENDA – Um exemplo de benefício para a agroindústria familiar está na empresa de produtos coloniais Machulek. Para um dos sócios, Nestor Machulek, a readequação da estrada rural é um sonho concretizado, pois essa é uma espinha dorsal para o trabalho da empresa, tanto na entrada de matéria-prima quanto na saída de produtos.

“Essa estrada é essencial para nossa sobrevivência”, disse. “A concorrência no mercado hoje está difícil, e a deficiência da estrada, que já durava anos, gerava atraso na logística e consequentemente a entrega da produção”.

Machulek avalia que, com a conclusão das obras, a produção vai aumentar. “Temos muitos fornecedores que trafegam por aqui.

Antes, assim que ficavam sabendo que era estrada de chão, algumas empresas não queriam fazer a entrega, principalmente quando chovia. Agora poderemos receber a matéria-prima com tranquilidade”.