Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Puxado por Toledo, Paraná mira novos mercados internacionais na carne suína

26 de julho de 2021 às 10:05
O segmento apresentou um aumento de 10,6% no primeiro trimestre deste ano. Foram 241,3 mil toneladas de carne produzidas e 2,5 milhões de porcos abatidos nos primeiros três meses de 2021, 211 mil a mais que no mesmo período do ano passado.

Valecir Rubert carrega nos ombros as marcas de mais de 20 anos de lida na suinocultura. São dores e inflamações de quem por 19 longas temporadas alimentava cerca de 1.100 porcos.

Ciclo repetitivo, de três a quatro vezes por dia, que custou a saúde física. As queixas do produtor, contudo, começaram a ser aliviadas no ano passado. Um robô, daqueles mais modernos do mercado, foi incorporado à rotina da pequena granja de Toledo, na Região Oeste.

O trabalho braçal, agora, fica a cargo da máquina, deixando os bastidores por conta de Rubert, o que diz muito sobre a modernização do setor. “Agora uso mais a mente.

O robô faz o trato dos porcos, pesa a quantidade certa de ração e abastece, sozinho, os cochos. Eu fico acompanhando pelo computador, programando o painel”, conta.

O aparelho foi a última aquisição da granja modelo dos Rubert. Perfeccionista, ele figura sempre entre os líderes de aproveitamento da região, considerando apenas os parceiros da BRF, com quem tem um acordo de décadas. Em 2019 ficou em segundo lugar.

Neste ano, já recebeu a notícia de que está entre os cinco melhores em converter ração em carne de porco (peso do animal).

“A tecnologia ajuda, claro, mas é o olho do patrão que engorda os bichos. Faço tudo com muito amor e capricho, por isso dá tão certo”, revela o suinocultor, que encaminha, religiosamente, aproximadamente 3 mil animais por ano para serem abatidos pelo frigorífico da BRF. “Os porcos saem daqui com 147 quilos de média”.

Dionei Stuani também tem anos de granja. Começou com o pai, em 1977, quando Toledo nem de longe era a mesma de hoje. “Era quase tudo mato”, diz.

Progresso que se refletiu nos negócios da família. Abriu a jornada com 30 matrizes, algo bem distante das mil cabeças alojadas atualmente na propriedade. Com planos de expansão: chegar a 1.500 suínos em um curto prazo.

“A apresentação da carne suína melhorou muito, não existe mais preconceito. E sou até suspeito para falar, mas é uma carne única: macia e saborosa”, destaca.

POLO PRODUTOR – As famílias Rubert e Stuani ajudam a fazer de Toledo o principal polo produtor da proteína no Paraná.

O suíno de corte é responsável por 30% de tudo o que é produzido na cidade, de acordo com a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab). São aproximadamente 1,7 milhão de cabeças. “O mercado está bom, pagando melhor”, analisa Rubert.

Efeito que se vê para além dos limites da Região Oeste. O Paraná é o segundo maior produtor de suínos, atrás apenas de Santa Catarina.

O segmento apresentou um aumento de 10,6% no primeiro trimestre deste ano. Foram 241,3 mil toneladas de carne produzidas e 2,5 milhões de porcos abatidos nos primeiros três meses de 2021, 211 mil a mais que no mesmo período do ano passado.

A projeção para 2021 é de alcançar 950 mil toneladas – em 2020 foram 936 mil toneladas, um aumento de 11,1% comparativamente a 2019.

“Houve um aumento da demanda como resultado da pandemia, interna e externa, o que puxou o aumento da produção. Vamos crescer ainda mais neste ano”, destaca Edmar Gervásio, técnico do Departamento de Economia Rural (Deral) da Seab, especializado na suinocultura e na piscicultura.

CHANCELA – Com a confirmação em maio por parte da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) de que o Paraná se tornou área de zona livre de peste suína clássica independente, o Estado garante vantagens sanitárias aos produtores locais no mercado internacional. Uma nova perspectiva de crescimento.

“Mesmo com o desequilíbrio do preço da carne com o custo da produção, com a alta do dólar refletindo no valor dos insumos, o Paraná segue em ritmo de crescimento no abate”, explica o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

“E vamos crescer mais e aproveitar o novo status para ir em busca de novos mercados, atraindo mais indústrias e ampliando os turnos de trabalho”.

“Vai melhorar o mercado com certeza, teremos mais abertura de locais que antes não compravam a nossa carne. Já e começamos a perceber essa movimentação com um preço mais atrativo para quem produz”, afirma Stuani.

Um dos reflexos imediatos vai acontecer em Assis Chateaubriand, vizinha de Toledo, já em 2023. A Cooperativa Central Frimesa deve inaugurar um mega-frigorífico para abater 23,3 mil cabeças ao dia. Será o maior da América Latina.

SÉRIE – A carne suína de Toledo faz parte da série de reportagens “Paraná que alimenta o mundo”, desenvolvida pela Agência Estadual de Notícias (AEN). O material mostra o potencial do agronegócio paranaense. Os textos são publicados sempre às segundas-feiras. A previsão é que as reportagens se estendam durante todo o ano de 2021.