Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Chuvas danificaram 3 mil casas e derrubaram mais de 900 postes no Paraná

25 de outubro de 2021 às 14:34
Os ventos de mais de 70 km/h causaram um óbito, 154 desalojamentos e mais de 3 mil casas danificadas. Também foram mais de 900 postes derrubados e diversos municípios ainda registram falta de água ou de energia elétrica

A segunda-feira (25) após o pior temporal da história do Interior do Paraná segue com muito trabalho para os eletricistas da Copel, os técnicos da Sanepar e as equipes da Defesa Civil. Os ventos de mais de 70 km/h causaram um óbito, 154 desalojamentos e mais de 3 mil casas danificadas. Também foram mais de 900 postes derrubados e diversos municípios ainda registram falta de água ou de energia elétrica.

Segundo a Copel, a maior parte dos circuitos de baixa tensão do Oeste e do Sudoeste já foi restabelecida, e restam aproximadamente 18 mil unidades consumidoras que ainda estão sem energia em decorrência do temporal. Os municípios com maior número de consumidores desligados são Medianeira e São Miguel do Iguaçu. Ramilândia, onde o fornecimento já havia sido restabelecido, sofreu novo desligamento e está com quase 70% dos domicílios sem energia.

Até o momento, a Copel atendeu cerca de 2,5 mil ocorrências de falta de energia nessas regiões envolvendo principalmente situações de postes quebrados, cabos rompidos e árvores caídas sobre a rede elétrica. Restam quase 2,7 mil ocorrências para atendimento. A região já soma 275 postes quebrados. Os quase 680 eletricistas e técnicos em serviço na manhã de hoje seguem empenhados em restabelecer o fornecimento de energia para todos o mais rapidamente possível.

A região Norte chegou a ter 133 mil unidades consumidoras desligadas, no auge do temporal. Nesta segunda, há aproximadamente 20 mil unidades consumidoras sem energia. A conta de postes quebrados na região chega a 257.

Alvorada do Sul foi o município mais prejudicado pelo evento climático em termos de fornecimento de energia, interrompido praticamente por completo desde o temporal. O município tem duas fontes de alimentação, e em ambas há equipes de obras atuando na reconstrução das redes, que tiveram ao menos 26 postes quebrados. Em Londrina, há 4,5 mil domicílios sem energia, e em Ibiporã, 2 mil.

A região Noroeste foi a mais severamente atingida, e a conta de postes quebrados já chega a 392 estruturas. Nesta segunda-feira, a prioridade é concluir a religação dos municípios que estão com o fornecimento interrompido devido ao temporal, todos devido ao alto número de postes quebrados em suas fontes de alimentação: Terra Rica, Santa Inês, Ourizona e São Jorge do Ivaí.

Terra Rica é o caso que inspira maiores esforços, pois há 54 postes quebrados nas duas fontes de alimentação da cidade. Aproximadamente 50 trabalhadores atuam nesta contingência. Em Mirador, Amaporã e Colorado, os circuitos internos de distribuição de energia foram bastante danificados, e equipes de emergência e manutenção trabalham em conjunto para religar os consumidores com a maior brevidade possível.

Na região de Umuarama, a linha entre o município e Xambrê teve 23 postes quebrados. Enquano Xambrê é alimentada por uma fonte alternativa, um verdadeiro mutirão com cerca de 30 eletricistas está no local desde ontem, e deve concluir a reconstrução da rede ainda hoje. O município de Maringá possui, no momento, 10 mil domicílios sem energia elétrica.

Eletricistas das regiões Leste e Centro-Sul dão auxílio nos trabalhos nas regiões mais atingidas, somando um contingente de 1.600 eletricistas na linha de frente. Desde o início do temporal, já foram atendidas 7.300 emergências em todo o Paraná.

SANEPAR

Muitas cidades no Estado ainda estão com abastecimento de água prejudicado por falta de energia elétrica, provocada pelos temporais do fim de semana. Equipes da Sanepar trabalham na recuperação dos sistemas e em manobras para assegurar a distribuição de água. Em muitas localidades, estão sendo usados caminhões-pipas e alugados geradores de energia pra que o fornecimento de água volte à normalidade. A Sanepar tem acompanhado o esforço da Copel na normalização da geração de energia.

(Matéria: AENPr/com revisão).