Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Biomédicos pedem a inclusão da categoria na Saúde do Estado

19 de novembro de 2021 às 16:47
O Paraná tem hoje mais de 20 cursos de biomedicina e o profissional tem 35 habilitações em apoio de diagnóstico, principalmente laboratorial

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto recebeu esta semana representantes do Conselho Regional de Biomedicina da 6ª Região. O motivo da visita, foi o pedido da categoria para que biomédicos do Paraná sejam inseridos no quadro de funcionários da Saúde.

“Manifestamos essa vontade e precisamos evoluir na estrutura de cargos da pasta. O trabalho dos biomédicos é de grande relevância, e foi muito importante, inclusive durante os períodos mais críticos da pandemia da Covid-19. São quase 5 mil profissionais que integram essa área. Valorizamos a possível atuação dentro dos hospitais e clínicas do Estado.”, enfatizou.

Para a inclusão no quadro funcional é necessária a alteração na Lei Estadual 18.136/2014, que instituiu o Quadro Próprio dos Servidores da Secretaria de Estado da Saúde (QPSS). Se aprovada a alteração, na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), eles poderão atuar em laboratórios de análise clínica, bancos de sangue e agências transfusionais, centros de reprodução humana e centros de imagem do Estado. Atualmente, a especialidade não está contemplada nos editais.

O Paraná tem hoje mais de 20 cursos de biomedicina e o profissional tem 35 habilitações em apoio de diagnóstico, principalmente laboratorial. 80% atuam em análises clínicas e 20% como docentes e pesquisadores em instituições de ensino. Desde 2017 a classe conta com um órgão regulador de atuação exclusiva, o Conselho Regional de Biomedicina – 6ª Região (CRBM6)

PROFISSÃO

De acordo com a Lei federal 6.684/1979, que regulamenta a profissão, ao biomédico compete atuar em equipes de saúde, em nível tecnológico, nas atividades complementares de diagnósticos, realizando análises físico-químicas e microbiológicas de interesse para o saneamento do meio ambiente; realizando serviços de radiografia, excluída a interpretação; atuando, sob supervisão médica, em serviços de hemoterapia, de radiodiagnóstico e de outros para os quais esteja legalmente habilitado; além de planejar e executar pesquisas científicas em instituições públicas e privadas, na área de sua especialidade profissional.

(Reportagem: Sesa/com revisão).