Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

IDR apresenta cultivar inédita de maracujá para aumentar produtividade em Prudentópolis

10 de maio de 2022 às 14:08
Primeira cultivar da espécie desenvolvida no Paraná, IPR Luz da Manhã se destaca pela qualidade superior e dupla possibilidade de destinação da colheita — tanto pode ser destinada ao mercado de frutas frescas como para a indústria de polpa congelada

A nova cultivar “luz da manhã” é a principal atração do Encontro de Fruticultores sobre a Cultura do Maracujá, que acontece nesta quarta-feira (11) em Prudentópolis (Centro-Sul do Estado). Ele é uma promoção do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná — Iapar-Emater (IDR-Paraná).

Primeira cultivar da espécie desenvolvida no Paraná, IPR Luz da Manhã se destaca pela qualidade superior e dupla possibilidade de destinação da colheita – tanto pode ser destinada ao mercado de frutas frescas como para a indústria de polpa congelada.

A fruta foi idealizada com o objetivo de aumentar a competitividade dos produtores paranaenses, fortalecer a indústria regional de processamento e, ainda, contribuir para o aumento da renda e da qualidade de vida no meio rural.

Obtida a partir de oito linhagens, IPR Luz da Manhã pode render até 30 toneladas por hectare, às quais é possível somar outras 50 toneladas se o produtor optar por um segundo ciclo de produção.

A programação do encontro ainda contempla temas como tecnologias para fertirrigação, aspectos mercadológicos e debate sobre as perspectivas para a produção da fruta no município de Prudentópolis.

O coordenador estadual de Fruticultura do IDR-Paraná, Eduardo Augustinho dos Santos, explica que o evento será realizado em uma propriedade na qual o produtor adota alto nível de tecnologia. “Há cerca de 10 anos o IDR-Paraná vem trabalhando a fruta na região, o potencial ali é muito grande”, diz.

De acordo com Santos, são cultivados 160 hectares de maracujá no município, com predominância da pequena agricultura familiar. A produtividade média ainda é baixa, cerca de 14 toneladas por hectare, e a maior parte da produção é destinada para industrialização. O objetivo do projeto é aumentar essa produção e possibilitar aos produtores acesso ao mercado de frutas frescas, que é amplo e diversificado.

(Matéria: AENPr/com revisão).