Livro inédito sobre o genocídio ucraniano será lançado em Prudentópolis

31 de outubro de 2022 às 14:25

“Holomodor 1932-1933”, escrito professor Volodymyr Serhiychyk, desvenda as mortes de milhares de pessoas pela fome na Ucrânia, causadas pela União Soviética, e traz à tona o direito universal pela memória

A invasão criminosa da Rússia à Ucrânia, que vem causando milhares de mortes, muita dor a todos os ucranianos e aniquilando cidades e a infraestutura do país, traz muita incerteza para todo o mundo civilizado.

Esta realidade brutal, ocasionada pela sucessora da União Soviética, tem muito a ver com os acontecimentos de 1932-1933 na própria Ucrânia, que levaram à morte pela fome de milhões de camponeses. Este fato estarrecedor, revelado pela abertura dos arquivos secretos da antiga URSS e pelas denúncias apresentadas em tribunais internacionais, veio a ser conhecido como o genocídio do povo ucraniano pela fome.

Estes fatos tão dolorosos e marcantes, que unem o passado e o presente da Ucrânia, são o tema do livro “Holodomor 1932-1933 – genocídio do povo ucraniano”, de autoria do professor Volodymyr Serhiychyk, da Universidade Taras Shevchenko de Kyiv, Ucrânia. Editado pela Representação Central Ucraniano-Brasileira (RCUB), o livro será lançado em Curitiba, no dia 7 de novembro, e em Prudentópóils, no dia 8 de novembro, com a presença do professor Volodymyr Serhiychyk.

“A obra constitui-se de grande importância para manter a memória dos acontecimentos ocorridos na Ucrânia, que levaram à morte milhões de camponeses. O Holomodor serve de alerta para toda a humanidade. Fatos dessa grave dimensão, como ocorreu com diversos povos ao longo da história (no Brasil contra nações indígenas), não podem jamais se repetir”, diz Vitorio Sorotiuk, presidente RCUB.

“O direito à memória é um tributo que toda a humanidade deve respeitar”, diz ele.

Um acadêmico de reconhecimento internacional Volodymyr Ivanovych Serhiychuk (em ucraniano: Володимир Іванович Сергійчук) nasceu em 13 de março de 1950, na aldeia de Pryberezhne, região de Zhytomyr, Ucrânia.

É professor da Universidade Nacional Tarás Chevtchenko em Kyiv, capital da Ucrânia, onde é chefe do Departamento de História Mundial da Ucrânia. Serhiychuk é membro titular da Academia
Nacional de Ciências da Ucrânia. Recebeu o prêmio científico nacional da Ucrânia Mazepa (1995) e Cruz de Ivan Mazepa (2010). É também autor de quase uma dezena de livros sobre a realidade ucraniana.

O livro é fruto de muitos anos de estudos e pesquisas do professor. E tem edições em ucraniano e inglês. Em 2006, o Parlamento ucraniano reconheceu oficialmente o Holodomor como genocídio. Em 2010, o Tribunal de Apelação de Kyiv provou a natureza genocida dos acontecimentos de 1932-1933 e a intenção de Josef Stalin e seu governo ditatorial de destruir parte da nação ucraniana. “O termo genocídio foi cunhado pelo jurista Rafael Lemkin. Em 1953, ele se referiu aos fatos como ‘extermínio da nação ucraniana e de um exemplo clássico de genocídio’”, explica Sorotiuk.

Em 2009, a Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, em Brasília, aprovou moção que reconhece o Holodomor como “genocídio do povo ucraniano”. Mais recentemente, em abril deste ano, o Senado Federal aprovou o projeto de lei, de autoria do senador Álvaro Dias (PR), que também reconhece o Holodomor como genocídio. O projeto estabeleceu o quarto sábado do mês de novembro como o dia de sua memória no Brasil.

O livro foi traduzido por Emílio Gaudeda, professor e escritor. Formado em História e Letras pela Universidade Católica do Paraná (atual Pontifícia). Gaudeda é autor e tradutor de uma série de livros sobre a história da Ucrânia e da imigração. Foi professor de Língua Portuguesa, Literaturas de Língua Portuguesa, Redação Técnica, Científica e Oficial, em estabelecimentos de ensino de Curitiba e em curso pré-universitário. “Holomodor 1932-1933” é um projeto aprovado pelo Programa Estadual de Fomento e incentivo à Cultura (Profice), da Secretaria de Estado de Comunicação e Cultura do governo do Paraná. Recebeu o patrocínio da Copel e da empresa AABA Produtos Médicos.

Lançamento em Prudentópolis
Data: 8 de novembro • Horário: 19 horas
Local: Auditório São José – Campus Avançado da Unicentro
Rua Cândido de Abreu, 1.636 – Prudentópolis – PR
Evento com conferência e debates
Conferencistas:
Volodymyr Serhiychyk, professor da Universidade Taras Shevchenko de
Kyiv, Ucrânia; e Vitório Sorotiuk, presidente da Representação Central
Ucraniano-Brasileira (RCUB).
Organização:
Representação Central Ucraniano-Brasileira.
Apoio: UNICENTRO, Núcleo de Estudos Eslavos (NEES), Secretaria de Cultura do
Município de Prudentópolis, Associação dos Amigos Museu do Milênio,
Eparquia da Imaculada Conceição em Prudentópolis dos Ucranianos.

(Matéria: Assessoria).

Prudentópolis
19º
Tempo nublado
Ponta Grossa
19º
Tempo nublado
Guarapuava
18º
Chuvas esparsas
Curitiba
18º
Chuvas esparsas
Londrina
28º
Parcialmente nublado
União da Vitória
20º
Tempo nublado
  • NOTA DE FALECIMENTO: É com pesar que e a Funerária São João e o Plano Uni-Paz comunica o falecimento
  • NOTA DE FALECIMENTO: É com pesar que e a Funerária São João  e o Plano Uni-Paz   comunica o falecimento de Celia Parhuts, ocorrido aos 46 anos de idade.
  • NOTA DE FALECIMENTO: É com pesar que a Funerária São João e o Plano Uni-Paz comunicam o falecimento
  • As Irmãs Servas de Maria Imaculada, comunicam o falecimento da IRMÃ JACINTA CECÍLIA GRESKIV, SMI
  • Apae de Prudentópolis lamenta a morte da ex-aluna Marlene Presasniuk
  • NOTAS DE FALECIMENTO: É com pesar que a Funerária São João e o Plano Uni Paz comunicam os falecimentos
  • Homem abandona moto ao fugir da PM, em Imbituva
  • Rompimento de adutora afeta abastecimento de água em Imbituva
  • Resultado do Vestibular 2023 já está no site da Unicentro
  • Vagas de emprego disponíveis na Agência do Trabalhador nesta segunda (05), em Prudentópolis
  • Prudentópolis registra 31 novos casos de Covid-19; 20 estão ativos
  • 16º Batalhão da Polícia Militar lança Operação Natal