Aumento da temperatura vai afetar a produção de feijão no Brasil

6 de março de 2023 às 14:33

Até 2050, o Brasil precisa aumentar em 44% a produção nacional de feijão para atender a demanda do mercado. Isso significa 1,5 milhão a mais por ano. É o que mostra pesquisa desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e pela Universidade de São Paulo.

Mas, para dificultar essa tarefa, os produtores terão de enfrentar uma elevação na temperatura de até 2,8ºC nas próximas duas décadas, prevista pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas das Nações Unidas

A região Centro-Oeste e os estados de Minas Gerais e da Bahia podem ser as áreas mais afetadas, e podem inclusive ter que alterar o calendário para plantio.

Segundo Alexandre Bryan, pesquisador da Embrapa, a concentração de gás carbônico prejudica, especialmente, a fase reprodutiva da lavoura, impedindo a formação de vagens e grãos de feijão. Por isso, a tendência é cair a produtividade nos próximos anos. Mas os produtores podem se adaptar às novas condições plantio com a escolha de grãos mais resistentes. “O feijão tipo preto apresenta uma tolerância maior a situações adversas. Então, quer dizer, a gente sabe que o preto sobressai em algumas condições. Então, tem diferença entre os tipos de feijão. A questão toda é que o mercado é restrito. Feijão preto, basicamente, é consumido no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro e, no resto do Brasil, é o carioca e esse é um problema”.

Alexandre Bryan destaca também que a queda de produtividade e aumento de demanda é um assunto que deve passar por políticas públicas, tanto em relação ao investimento em pesquisa para a geração de plantas mais adaptadas, quanto em relação à agricultura familiar. “Então, é interessante ter uma política pública para a agricultura familiar, na qual ela possa produzir feijão em conjunto com outras culturas, ou em rotação com outras culturas, tendo também floresta no meio, tendo um planejamento que tenha diversidade. Porque se você tem diversidade tem maior, tem também maior sustentabilidade. A gente sabe que diversidade diminui, é uma forma minimizar o impacto das mudanças climáticas.”

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que, hoje, a produção anual de feijão no país é de R$ 12 bilhões por ano, chegando a 2,8 milhões toneladas.

(Matéria: Ag. Brasil*).

Prudentópolis
17º
Parcialmente nublado
Ponta Grossa
17º
Tempo limpo
Guarapuava
16º
Tempo nublado
Curitiba
19º
Tempo nublado
Londrina
25º
Tempo limpo
União da Vitória
17º
Tempo limpo
  • É com pesar que a Funerária São João e o Plano UNI PAZ, comunicam o falecimento da pequena Mariah Parkuts Datczuk.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento da senhora Zenobia Kraiczk aos 71 anos.
  • É com pesar que a Funerária São João e o Plano UNI PAZ, comunicam o falecimento da Sr. Theodosio Vencelovicz.
  • É com pesar que a Funerária São João e o Plano UNI PAZ, comunicam o falecimento da Sra. Maria Eufrida Lopes Iensen.
  • É com pesar que a Funerária São Josafat e o Plano Sindi-Saúde, comunicam o falecimento da Sra. Maria da Aparecida Rodrigues.
  • É com pesar que a Funerária São João comunica o falecimento da Sr. Irineu Ripula.
  • Programa Nota Paraná reforça canais de fiscalização sobre documentos fiscais cancelados
  • Copel produz primeiras moléculas de hidrogênio renovável em Curitiba
  • Paraná teve o maior crescimento da atividade econômica do Brasil em 2023
  • Em visita à Embaixada do Brasil no Chile, Paraná busca aumentar fluxo de turistas sul-americanos
  • Vencimento da 2ª parcela do IPVA para placas com final 9 e 0 é nesta sexta-feira
  • Dia de Campo apresenta novas oportunidades para produtores de Irati