Denuncia apresentada na câmara pede a cassação de três vereadores por prevaricação em Guamiranga

13 de março de 2023 às 14:30

Na manhã desta sexta (10) três vereadores da câmara de Guamiranga André Possebom, Cleberson Kordiak e Jacir Iensen foram denunciados por situação análoga a prevaricação.

A denúncia foi feita por Altair Pontarolo morador da localidade de Boa Vista, interior do município após ter ciência de uma ata em que os vereadores confirmam a extinção do cargo do vereador Natan Pontarolo, mas não deram sequência na casa de leis.

A denúncia pede a cassação dos vereadores pelo crime praticado por prevaricação e quebra de decoro.

O fato tem início quando Ricardo Felde, que se diz morador do município, faz uma denúncia protocolada na câmara de vereadores de Guamiranga no dia 23 de fevereiro e destinada ao vice-presidente da casa pedindo o afastamento do vereador Natan Pontarolo.

A denúncia diz que o vereador Natan Pontarolo teve uma condenação criminal já transitada em julgado em 24 de novembro de 2020, com perdas de direitos políticos o que incide na perca do cargo de vereador. Felde pede a extinção do cargo do vereador de Natan e ainda a acusação mostra os ritos a serem seguidos pela câmara mostrando profundo conhecimento das leis.

A denúncia realizada por Felde  foi feita via procuração ao advogado Diego Emanuelo Rodrigues Tres. Diego ressalta na denuncia que a extinção do cargo deverá ser votada pela mesa diretora.

A denúncia análoga a prevaricação contra os vereadores André, Kordiak e Ziquinho diz que ele, na quinta-feira, dia 23 de fevereiro, as 15 horas acataram a denúncia de Ricardo Felde e  baseado no artigo 33 do Regimento Interno da Câmara  de vereadores afastaram o vereador Natan Pontarolo por ter condenação criminal e transitado em julgado. Para isso os vereadores fizeram uma sessão extraordinária e registraram em ata assinada pelos vereadores.

.

Mas, segundo a denúncia, o crime acontece  quando os vereadores não deram sequência ao afastamento. Na segunda (27)quando o vereador Natan deveria ser notificado da extinção do cargo,  Natan protocolou um pedido de renúncia do cargo da presidente da câmara e pediu um afastamento por 120 dias do cargo de vereador sem vencimentos para tratar de assuntos particulares.

Segundo o denunciante é nesse momento em que se prova a prevaricação dos vereadores. “Eles receberam a denúncia feita contra o vereador Natan, tomaram ciência, votaram pelo acatamento, mas por motivos escusos não deram sequência à extinção do cargo do vereador”, diz Altair.

.

No dia 28 de fevereiro foi publicado no Diário Oficial do Município a decisão da câmara em que Cleberson Kordiak é nomeado como presidente da câmara e a licença de Natan.

Segundo Pontarolo, esta publicação mostra a formalização do erro, uma vez que já na sexta deveria ser publicado um decreto legislativo declarando a extinção do mandato de Natan, confirmado na ata e não a aprovação do pedido de afastamento.

Altair explica que os vereadores agiram em interesse próprio e contra a constituição. “Se há perca de mandato como a própria ata realizada pelos vereadores diz, não há o que se falar em afastamento, mas sim os vereadores deveriam apenas publicar o decreto e cumprir o que diz a constituição federal”, ressalta.

“O vereador não pode ocultar a lei para agir como ele pensa. Se for assim não precisaria de câmara de vereadores”, desabafa.  A denúncia pede que seja aberta uma comissão processante e ocorra a perca de mandato dos três vereadores.

Altair mostra na denúncia que os vereadores afrontaram o principio da legalidade e  agiram por interesse próprio e contra a dignidade da câmara previsto no artigo 7º que segundo do Decreto Lei 202/67 é passível de cassação dos vereadores. “Foi notório o favorecimento do vereador cassado obtendo a licença e não a extinção do cargo”, ressalta Pontarolo.

A denúncia protocolada nesta sexta (10) deverá ser lida na sessão da próxima segunda feira (13), colocada para votação a sua aceitação e na sequencia ser sorteado os membros desimpedidos para participar da Comissão Processante. É de praxe que os vereadores denunciados não participem da votação para recebimento da denúncia e nem para fatos futuros, sendo declarados impedidos.

A denúncia aponta para indícios de crime de prevaricação, que é que é um crime funcional, praticado por funcionário público contra a Administração Pública. A prevaricação consiste em retardar, deixar de praticar ou praticar indevidamente ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal. Isso está previsto no artigo 319 com pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Os vereadores André e Ziquinho disseram por mensagem de WhatsApp que estão consultando seus advogados sobre a denúncia. Cleberson Kordiak não se manifestou.

Fonte Folha de Irati

 

Prudentópolis
26º
Tempo nublado
Ponta Grossa
25º
Chuva
Guarapuava
25º
Chuvas esparsas
Curitiba
24º
Chuvas esparsas
Londrina
35º
Parcialmente nublado
União da Vitória
22º
Tempo nublado
  • É com pesar que e a Funerária Anjo Gabriel e o PAF comunicam o falecimento do senhor Miro Stefanovicz aos 86 anos.
  • É com pesar que a funerária Anjo Gabriel comunica o falecimento da sra Amelia Horodenski aos 84 anos.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento do senhor Elias Saplak aos 91 anos.
  • Convite para missa de 7° dia de falecimento
  • É com pesar que a Funerária Anjo Gabriel e o PAF, comunicam o falecimento da Sra. Ana Ditkun.
  • É com pesar que a Funerária São Josafat e o Plano Sindi – Saúde, comunicam o falecimento da Sra. Alayde Lichi Americano.
  • Bolões de Curitiba e Maringá batem na trave e acertam 5 números sorteados
  • Pesquisador da UEL coordena relatório nacional sobre espécies invasoras na natureza
  • Com segunda parcela do IPVA, municípios receberam R$ 1,03 bilhão do Estado em fevereiro
  • Com apoio do Estado, operadora vai apresentar atrativos do Paraná a 100 agentes de viagens
  • UTFPR Guarapuava integra comitiva do Paraná em missão internacional na Alemanha
  • Governo investe R$ 150 milhões em CMEIs e escolas municipais de 106 cidades do Paraná