Sarampo matava mais de 2,6 milhões por ano no mundo antes de vacinas

6 de setembro de 2023 às 14:15

Integrante da Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações do Estado de São Paulo, Guido Levi conta que no início dos anos 2000 foi chamado por um grupo de residentes em uma enfermaria de doenças infecciosas em São Paulo.

Os jovens médicos estavam intrigados que nenhum exame proposto havia detectado a causa de erupções cutâneas e febre alta que haviam levado uma criança à internação.

“Ninguém sabia o que era. Os residentes disseram que iam apresentar os exames pedidos, que ainda não tinham resultados positivos, e eu falei: ‘Gente, não precisa de exame nenhum. Isso é sarampo’. Eles ficaram muito desconfiados, porque nunca tinham visto sarampo”, lembra Guido Levi.

O sucesso da imunização fez com que boa parte da população e até médicos esquecessem que o sarampo é uma doença grave e letal. Segundo o Ministério da Saúde, uma em cada 20 crianças com sarampo pode desenvolver pneumonia, que é a causa mais comum de morte por sarampo na infância. Além disso, cerca de uma em cada dez crianças com sarampo desenvolvem uma otite aguda que pode resultar em perda auditiva permanente.

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) estima que, de 2000 a 2017, a vacinação contra o sarampo evitou cerca de 21,1 milhões de mortes, tornando a vacina um dos melhores investimentos em saúde pública.

“O sarampo era uma das doenças mais graves que acometiam a infância e uma das que causavam maior mortalidade. Quando fui consultor do Hospital Infantil da Cruz Vermelha Brasileira, em São Paulo, no começo da década de 1980, metade do hospital era tomada por crianças com sarampo, e com altíssima mortalidade”, lembra Guido Levi, que viu as vacinas transformarem esse cenário.

A imunização conseguiu eliminar essa doença não apenas do Brasil, mas de todo o continente americano, o que foi reconhecido pela Opas em 27 de setembro de 2016.

Na época, a organização lembrou que o sarampo chegou a matar 2,6 milhões de pessoas por ano no mundo antes da década de 1980. Para se ter uma ideia do que esse número representa, ele é maior do que o total de vítimas da covid-19 no primeiro ano de pandemia.

Prudentópolis
23º
Tempo limpo
Ponta Grossa
20º
Tempo limpo
Guarapuava
22º
Tempo limpo
Curitiba
21º
Tempo limpo
Londrina
25º
Tempo limpo
União da Vitória
23º
Tempo limpo
  • É com pesar que e a Funerária Anjo Gabriel comunica o falecimento da Sra Geni de Lurdes Lemos Martins aos 57 anos.
  • É com pesar que a Funerária São João e o Plano UNI PAZ, comunicam o falecimento de Júlio César Mosquer.
  • É com pesar que e a Funerária Sao Josafat comunica o falecimento do Sr Augusto Kozak aos 89 anos de idade.
  • É com pesar que e a Funerária Anjo Gabriel comunica o falecimento do Sr Lademiro Barabasz aos 83 anos de idade.
  • É com pesar que e a Funerária Anjo Gabriel comunica o falecimento do Sr Antonio Valdivino Ribeiro dos Santos
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat  comunica o falecimento da Sra Nadia Martinhuk  Gelinski aos 81 anos de idade.
  • Grande Reserva da Mata Atlântica recebe agenda turística com experiência cultural
  • Há 67 anos Porto de Paranaguá conta com área exclusiva para cargas do Paraguai
  • Agências do Trabalhador do Paraná iniciam a semana com 21,9 mil vagas
  • Comitiva do Sicredi participa do maior evento de cooperativismo de crédito do mundo, em Boston (EUA)
  • IAT renova convênio com Unifil para atendimento à fauna na região de Londrina
  • Rádio Educativa é finalista do Prêmio Ocepar de Jornalismo com duas séries especiais