Mostra da Casa Gomm sobre canoa indígena dos anos 1500 encerra nesta sexta-feira

11 de dezembro de 2023 às 14:38

A mostra sobre o registro do resgate da canoa Ygá-Mirî se encerra nesta sexta-feira (15). A exposição está disponível na Casa Gomm, sede da Coordenação do Patrimônio Cultural (CPC), da Secretaria de Estado da Cultura, em Curitiba. Em 2018, o patrimônio indígena foi recuperado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) com a ajuda de povos Guarani, no sítio arqueológico da antiga Cidade Real do Guairá.

Após o fim da exposição, a mostra sobre a canoa irá até as aldeias dos povos Avá-Guarani. Isso ocorre a partir de um termo de execução descentralizada, conveniado entre o Iphan e a Universidade Federal do Paraná (UFPR). O planejamento inclui oficinas de capacitação para os moradores da aldeia Tekoha Nhemboetê, no município de Terra Roxa, e também para estudantes indígenas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Como medida de conscientização sobre conservação de patrimônio histórico e indígena, a mostra recebeu cerca de 300 alunos de cinco escolas (Colégio Estadual Júlia Wanderley, Escola Municipal Dario Vellozo, Escola Municipal Nice Braga, Escola Municipal Professora Lina Maria Martins Moreira e Escola Municipal Papa João XXIII) durante quase três meses.

Na exposição, o visitante encontrará uma réplica 3D (modelagem tridimensional) da canoa, módulos explicativos com informações sobre a descoberta, o resgate e sua conservação, além de acervo histórico com vasos ancestrais encontrados também em sítios arqueológicos no Paraná. Atualmente, a canoa está sob cuidados da Reserva Técnica do Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR (MAE-UFPR).

O projeto Ygá-Mirî tem a abordagem da arqueologia colaborativa, isto é, a ideia que defende um compartilhamento equiparado do passado entre cientistas e membros das comunidades. “Isso é importante porque expressa uma relação de respeito com essas populações. Essa canoa envolve a possibilidade de eles poderem existir, cuidar dos filhos e manterem sua terra”, explica Vitor Hugo Silva, antropólogo consultor da exposição.

CANOA – Em 2013, os Avá-Guarani, da aldeia Tekoha Nhemboetê, em Terra Roxa, no Oeste do Paraná, revelaram a existência de indícios arqueológicos de tempos imemoriais. Entre fragmentos cerâmicos e artefatos líticos – feitos de pedra lascada ou polida –, encontraram o remanescente de uma canoa indígena. O local foi monitorado por cinco anos.

Com sete metros de comprimento, a canoa foi encontrada com cerca de 70% do material enterrado em um barranco, e 30% exposto ao ar livre. O artefato estava 1,5 metro enterrado. “Achamos que o tamanho da canoa era ainda maior. Ela quebrou uma parte. Devia ter uns 10 a 12 metros. Era usada para longas distâncias”, relata Almir Pontes, geógrafo da Coordenação do Patrimônio Cultural (CPC).

A partir da constatação do material histórico, foi feita uma operação de arqueologia para o resgate. Promovida pelo Iphan e com supervisão e apoio técnico-científico da CPC, a retirada do material arqueológico foi iniciada em 2018. O processo de resgate não foi fácil. O grande objeto de madeira úmida pesava bastante, e foram necessárias oito pessoas para carregar.

“Foi uma operação bem delicada, e para levá-la até o caminhão tivemos que percorrer três quilômetros”, conta Almir.

Além do trabalho institucional do Governo do Estado, os povos Guarani foram fundamentais para a preservação dos vestígios. Eles acompanharam todo o processo e trabalharam com as equipes de campo na pesquisa. Além disso, realizaram rituais e rezas para a canoa.

O nome Ygá-Mirî foi dado após um ritual de batismo. De acordo com os chamois (lideranças religiosas), a canoa revelou-se um elo material e espiritual com o dono anterior da embarcação. Os Avá-Guaranis acreditam que se o objeto encontrado não fosse devidamente tratado, poderiam acontecer alguns reveses com os envolvidos nesse projeto.

HISTÓRIA – A época provável em que a canoa foi utilizada é entre 1557 e 1632. Nesse período, existiu a Cidade Real do Guairá. Ela foi fundada em território Guarani, na década de 1550, por militares espanhóis que procuravam expandir seu domínio colonial a partir do Paraguai. A história de cerca de 75 anos do avanço ibérico no Oeste do Paraná se vincula ao mesmo território em que o povo Guarani viveu durante 2 mil anos.

Os remanescentes arqueológicos localizados na margem esquerda do Rio Paraná e ao Sul da foz do seu afluente, Rio Piquiri, pertencem à Ciudad Real del Guayrá. A destruição da localidade, entre outros assentamentos de posse da coroa espanhola, culmina com as bandeiras paulistas durante os anos de 1631 e 1632.

Essa região voltou a ser explorada pelos portugueses em expedições de reconhecimento entre os anos de 1768 e 1774. Atualmente, os principais indícios de sítios arqueológicos são encontrados em fragmentos de paredes e muros. A maior parte desse material histórico permanece preservado abaixo da superfície do solo.

Agora, a área onde se encontram os vestígios dessa antiga cidade foi tombada como Patrimônio Cultural pelo Governo do Paraná. Dessa maneira, foram reconhecidos os valores históricos, arqueológicos, etnográficos e paisagísticos do local.

Serviço:

Casa Gomm – Rua Bruno Filgueira, 850 – Batel

Visitação gratuita

Segunda a sexta-feira, das 10h às 17h

Informações: (41) 3312-0406 ou (41) 3312-0407

Prudentópolis
26º
Tempo nublado
Ponta Grossa
25º
Tempo nublado
Guarapuava
23º
Tempo nublado
Curitiba
26º
Tempo limpo
Londrina
31º
Tempo limpo
União da Vitória
22º
Tempo nublado
  • É com pesar que a funerária Anjo Gabriel comunica o falecimento da sra Amelia Horodenski aos 84 anos.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento do senhor Elias Saplak aos 91 anos.
  • Convite para missa de 7° dia de falecimento
  • É com pesar que a Funerária Anjo Gabriel e o PAF, comunicam o falecimento da Sra. Ana Ditkun.
  • É com pesar que a Funerária São Josafat e o Plano Sindi – Saúde, comunicam o falecimento da Sra. Alayde Lichi Americano.
  • É com pesar que a Funerária São João comunica o falecimento da Sra. Maria Jak Stempniak.
  • Bispos do PR visitam Itaipu e ressaltam parcerias sociais da usina com a Cáritas, vinculada à Igreja Católica
  • Paraná foi o terceiro estado mais visitado por turistas internacionais em janeiro
  • Parques do Interior impulsionam crescimento de 64% do turismo nas Unidades de Conservação
  • Unicentro abre inscrições para o Curso Pré-Vestibular de 2024
  • Paraná apresenta novas estruturas de apoio e amplia investimentos para mulheres
  • Ações do Verão Maior Paraná tiveram impacto de R$ 107,6 milhões no PIB do Estado