Para zerar desperdício, Banco de Alimentos doa 24 toneladas por mês a animais resgatados

5 de março de 2024 às 14:07

Com objetivo de chegar ao desperdício zero dos alimentos movimentados nas Centrais de Abastecimento do Paraná (Ceasa-PR), o programa Banco de Alimentos Comida Boa passou por uma expansão e passou a fazer doações de hortifrutigranjeiros para instituições criadoras de animais. Desde o início de 2024, foram distribuídas 24 toneladas por mês a entidades que recebem animais resgatados ou trabalham na preservação de espécies ameaçadas.

O Banco de Alimentos Comida Boa identifica produtos não comercializados pelos atacadistas e produtores rurais na Ceasa-PR, mas que estão em condições de consumo. As hortaliças em bom estado são processadas e destinadas a entidades assistenciais como creches, hospitais, orfanatos e outras instituições. Com a expansão do programa, o excedente que está em boas condições, mas não se adequa às normas sanitárias para consumo humano, passou a ser destinado a instituições de cuidado animal.

“São frutas e legumes com algum tipo de avaria que podem ser consumidos pelos animais após uma preparação por parte dos criadouros. São, por exemplo, frutas com furos. Na entidade eles tiram esta parte do alimento e usam o restante para a nutrição animal. Estamos caminhando para ser a primeira Ceasa do Brasil com aterro zero dos resíduos. O próximo passo é transformar o que não dá para os animais consumirem em composto orgânico”, afirmou o diretor-presidente da Ceasa-PR, Éder Eduardo Bublitz.

Por dia, 8 mil toneladas de alimentos são comercializadas nas cinco unidades do Estado. Antes do programa Banco de Alimentos Comida Boa, 50 toneladas por dia eram desperdiçadas por não serem comercializadas. Com a destinação dos alimentos para as entidades de assistência social, quase metade deste volume passou a ser reaproveitado. Ao todo, mais de 440 toneladas por mês são doadas para entidades assistenciais, o que representa um volume anual de 5,3 mil toneladas de alimentos.

PARCERIAS – Atualmente, duas instituições de cuidado animal recebem os alimentos do programa: +Mais Zoo Mantenedouro de Fauna Silvestre e o Criadouro Onça Pintada. Ambos são empreendimentos de fauna licenciados pelo Instituto Água e Terra (IAT) e tratam animais silvestres e exóticos resgatados porque estavam em situação de abandono, maus-tratos ou que foram apreendidos.

Os estabelecimentos abrigam animais que não têm mais condições de serem devolvidos à natureza ou por um período de tratamento em que eles precisam passar por cuidados especiais, como algum tipo de reabilitação física.

Para o responsável pelo Criadouro Onça Pintada, Luciano Saboia, a parceria tem sido muito importante para o cuidado dos animais que estão na instituição, que fica em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba. São 2,2 mil animais de 190 espécies diferentes.

“Estamos recebendo estas doações de alimentos que são impróprios para a comercialização, mas que, aqui, são 100% aproveitados para a alimentação de várias espécies, muitas delas ameaçadas de extinção e que se enquadram em programas nacionais e internacionais de preservação”, afirmou.

De acordo com o diretor-presidente da Ceasa-PR, o objetivo é fazer o programa crescer, com doações por todo o Estado. “As doações para as instituições de cuidado animal, que neste momento acontecem na Ceasa de Curitiba, é mais um passo para a gente diminuir este desperdício. Com a consolidação deste projeto, vamos avançar nas parcerias nas outras unidades do Paraná”, afirmou Bublitz.

BANCO DE ALIMENTOS – A distribuição em larga escalda das hortaliças para centenas de instituições por meio do Banco de Alimentos Comida Boa surgiu em abril de 2020, logo após a chegada da pandemia da Covid-19.

Atualmente, mais de 330 entidades, como casas de longa permanência de idosos, hospitais públicos, casas de recuperação, projetos de contraturno escolar, abrigos, associações de moradores e famílias em situação de vulnerabilidade social, recebem os alimentos.

O programa foi apresentado na Organização das Nações Unidas (ONU) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, como um bom exemplo de iniciativa governamental.

Ele também conta com a participação do Departamento de Polícia Penal do Paraná (Deppen) para a ressocialização de pessoas privadas de liberdade. Elas trabalham no processamento dos alimentos e participam de atividades de capacitação em educação alimentar para, posteriormente, repassarem o conhecimento à comunidade.

 

Foto: Gilson Abreu/Arquivo AEN

Prudentópolis
22º
Tempo nublado
Ponta Grossa
21º
Parcialmente nublado
Guarapuava
20º
Tempo nublado
Curitiba
20º
Tempo nublado
Londrina
29º
Parcialmente nublado
União da Vitória
18º
Parcialmente nublado
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento do Sr Salvador Szawczuk aos 77 anos de idade
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento do Sr Severo Czekalski aos 46 anos de idade vitima de acidente
  • É com pesar que a Funerária São Josafat e o Plano Sindi Saude, comunicam o falecimento do Sr. Teodozio Kusma, aos 63 anos de idade.
  • É com pesar que a Funerária São Josafat e o Plano Sindi Saude, comunicam o falecimento do Sr. Sebastião Gonçalves da Silva, aos 83 anos de idade.
  • É com pesar que a Funerária São Josafat e o Plano Sindi Saude, comunicam o falecimento do Sr. Pedro Machado Alves, aos 75 anos de idade.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat comunica o falecimento do senhor Miguel Papis aos 63 anos.
  • Unioeste divulga aprovados em seleção de Residência Técnica em Economia Rural
  • Paraná mantém liderança nacional em ranking de inovação e sustentabilidade
  • Comitiva do Paraná começa agenda na Índia com visita a gigante global de tecnologia
  • Período mais seco: IAT faz alerta sobre incêndios nas Unidades de Conservação do Paraná
  • Comércio paranaense cresceu 6,9% nos primeiros meses de 2024, melhor resultado do Sul
  • Paraná vai produzir 1,25 bilhão de litros de etanol na atual safra, aponta boletim