Ranking destaca ações sustentáveis das universidades estaduais; UEL lidera no Paraná

21 de junho de 2024 às 15:48

A Universidade Estadual de Londrina (UEL) é a instituição de ensino superior mais sustentável do Paraná em 2024, a segunda da região Sul e a quinta do Brasil, de acordo com um ranking internacional sobre o impacto social acadêmico no mundo. Essa classificação é coordenada pela revista Times Higher Education (THE), de Londres, no Reino Unido, e avalia diferentes ações institucionais com base nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Entre os 17 ODS, a UEL está em primeiro lugar no Brasil no objetivo 15, que compreende o uso consciente dos recursos naturais. A instituição ligada ao Governo do Estado no Norte paranaense também figura entre as mais bem avaliadas do país em outras áreas, ocupando o segundo lugar no ODS 3 e o terceiro lugar no ODS 7, que promovem saúde e bem-estar e energia limpa e renovável, respectivamente.

Na classificação geral, a UEL subiu cinco posições nacionais em relação ao ano passado, quando ocupava o décimo lugar entre as brasileiras. Em 2023, a estadual paranaense já havia conquistado oito posições na comparação com o ano anterior. A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) melhorou o desempenho em quatro posições, passando do 32º lugar no ano passado para a 28ª colocação em 2024. Já a Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) estreia nesta edição do ranking na 53ª posição nacional.

Entre várias iniciativas, a UEL lançou um portal que apresenta mais de 125 ações de pesquisa, ensino e extensão desenvolvidas pela instituição associadas aos ODS. O intuito é ampliar a visibilidade das atividades acadêmicas na área da sustentabilidade e promover a conscientização a respeito da importância da adesão aos objetivos da ONU.

No ODS 15, por exemplo, a estadual paranaense articula diferentes iniciativas, como a recuperação e o manejo da vegetação nativa local, por meio do Laboratório de Biodiversidade e Restauração de Ecossistemas. Outro projeto consiste na realização de visitas guiadas para alunos de escolas públicas e privadas no orquidário do Centro de Ciências Agrárias da UEL, uma estrutura que reúne espécies de orquídeas e outras plantas ornamentais nativas e exóticas cultivadas em estufas.

Para o secretário estadual da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona, é possível transformar os desafios ambientais em oportunidades para as próximas gerações. “Ao desenvolver e apoiar iniciativas sustentáveis, as universidades estão preparando uma nova geração de líderes e profissionais conscientes, capazes de propor soluções para os desafios ambientais, impulsionando o crescimento econômico com a preservação dos recursos naturais”, afirmou.

Segundo a reitora da UEL, Marta Favaro, o resultado alcançado pela instituição nesse ranking está relacionado ao cumprimento do papel social da universidade. “Demonstra o impacto das ações de ensino, pesquisa, extensão na sociedade, que vai além da formação de profissionais e se estende para a formação humana, na busca por um mundo mais justo, contribuindo para a transformação social, econômica e política”.

DESEMPENHO DAS ESTADUAIS – Outras universidades estaduais também aparecem no grupo das 55 instituições brasileiras públicas e privadas avaliadas pelo THE neste ano. No ranking, cada ODS representa uma pontuação distinta, sendo a classificação geral resultado da soma das três melhores notas com a pontuação do objetivo 17, que avalia a capacidade de implementação de ações.

Considerada a 15ª mais bem avaliada do país, a Universidade Estadual de Maringá (UEM) conquistou uma pontuação expressiva nos ODS 6, 13 e 14, que tratam dos temas recursos hídricos, mudanças climáticas e conservação dos oceanos e mares, nessa ordem. A estadual paranaense figura entre as dez melhores do Brasil nessas três categorias.

A UEPG e a Universidade Estadual Oeste do Paraná (Unioeste) obtiveram, individualmente, as melhores notas no ODS 2, relacionado à agricultura sustentável. A Unioeste ocupa a posição nacional 29, nesta edição do ranking. A UENP, classificada pela primeira vez neste ranking, alcançou a melhor pontuação no ODS 4, critério que confirma o compromisso da instituição com o fortalecimento do ensino.

Confira o desempenho das universidades estaduais no ranking:

RANKING
RANKING
RANKING
RANKING
RANKING
Foto: SETI
Prudentópolis
14º
Parcialmente nublado
Ponta Grossa
14º
Parcialmente nublado
Guarapuava
12º
Tempo limpo
Curitiba
16º
Tempo limpo
Londrina
24º
Parcialmente nublado
União da Vitória
13º
Tempo limpo
  • É com pesar que e a Funerária Anjo Gabriel comunica o falecimento do Sr Antonio Valdivino Ribeiro dos Santos
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat  comunica o falecimento da Sra Nadia Martinhuk  Gelinski aos 81 anos de idade.
  • É com pesar que a Funerária São João e o Plano UNI PAZ, comunicam o falecimento da Sra. Olga Prenechuki Rodovanaki
  • É com pesar que a Funerária São João e o Plano UNI PAZ, comunicam o falecimento da Sra. Amélia Andre Suchodolak.
  • É com pesar que a Funerária São João e o Plano UNI PAZ, comunicam o falecimento da Sra. Nair Alves De Oliveira Parolin.
  • É com pesar que e a Funerária São Josafat  comunica o falecimento do Sr Jose Olovati aos 78 anos.
  • Pavimentação de estradas rurais: convênios firmados no 1º semestre somam R$ 125 milhões
  • Governo Federal adia teste de alerta de desastres climáticos em Morretes e União da Vitória
  • Educação divulga resultado preliminar de classificados para o Ganhando o Mundo Diretor
  • Nova espécie de abelha é descoberta por professora da Unicentro
  • Concessionária apresenta agenda de obras rodoviárias para comunidade portuária
  • Cristina Silvestri pede ação do Estado para garantir direitos dos proprietários de terra em Guaíra