Nossa Gente

Seu novo portal de notícias em Prudentópolis e região

Gepatria de Guarapuava e Promotoria de Laranjeiras do Sul apresentam ação civil pública em novo desdobramento da Operação Pacman

20 de agosto de 2018 às 09:51
O processo tramitará no Juízo da Fazenda Pública da Comarca de Laranjeiras do Sul e soma-se a outras nove ações penais decorrentes da Operação Pacman.

O Ministério Público do Paraná ajuizou ação civil pública contra três pessoas acusadas de envolvimento em irregularidades na Receita Estadual em Laranjeiras do Sul, Centro Ocidental paranaense. Com a medida, proposta de forma conjunta pelo Núcleo de Guarapuava do Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria) e pela 1ª Promotoria de Justiça de Laranjeiras do Sul, busca-se a responsabilização das três pessoas por ato de improbidade administrativa.

Apresentada na quinta-feira, 16 de agosto, a ação é mais um resultado da Operação Pacman, deflagrada no final do ano passado pelo Gepatria e pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) com o fim de desarticular um esquema de corrupção na Receita em Laranjeiras do Sul. Foi constatado pelos agentes do MPPR que uma auditora fiscal e o companheiro, que se fazia passar por auditor, exigiam propina de contribuintes para isentá-los de supostos tributos.

Reparação de danos – São requeridos na ação cível a auditora fiscal, o companheiro e um contribuinte que pagou propina para o casal. O MPPR sustenta a prática de atos lesivos à administração pública e enriquecimento ilícito e requer a condenação de todos por ato de improbidade. Isso pode levar a sanções como a perda da função pública, devolução ao erário de valores empregues indevidamente e multa – nesse caso, se pretende a condenação da auditora e do companheiro a pagamento de reparação por danos morais de R$ 900 mil e R$ 450 mil aos cofres públicos, respectivamente.

O processo tramitará no Juízo da Fazenda Pública da Comarca de Laranjeiras do Sul e soma-se a outras nove ações penais decorrentes da Operação Pacman.

Fonte: MPPR